PHYSIOTONUS SLIM - CORRENTE RUSSA

PHYSIOTONUS SLIM ? CORRENTE RUSSA

Introdução

O PHYSIOTONUS SLIM é um moderno equipamento de eletroestimulação, com uma corrente bifásica simétrica de média freqüência (2.500 Hz a 4.000Hz), popularmente conhecida como Corrente Russa ou Kotz, que é o nome do pesquisador que a introduziu na moderna terapia de reforço muscular, de Eletroestimulação Transcutânea (TENS) para alívio de dores generalizadas, de Eletroestimulação Funcional (FES) para reabilitação funcional, ativando os músculos esqueléticos e produzindo movimentos e de Eletrolipólise para melhora do tecido adiposo e circulatório.

Trata-se de técnicas não invasivas e uma invasiva, sem efeitos sistêmicos, nem dependência e nem efeitos colaterais, sendo que a aplicação da estimulação se faz através de eletrodos colocados em pontos determinados do corpo ou do rosto para a produção da contração muscular.

CORRENTE RUSSA

Indicações

  • Flacidez abdominal, glútea e em membros superiores / inferiores
  • Flacidez muscular após parto, emagrecimento e pós-cirúrgico
  • Drenagem linfática dos membros inferiores

Cuidados e Contra-Indicações

Não existe até hoje contra-indicação absoluta para o uso de correntes elétricas para estimulação muscular; porém, algumas precauções devem ser tomadas:

  • Marcapassos Cardíacos: pode haver interferências
  • Cardiopatas: podem apresentar reações adversas
  • Gestantes
  • Não Estimular Sobre os Seios Carotídeos: pode exacerbar reflexos vago-vagais
  • Estimular com Intensidades Reduzidas as Regiões do Pescoço e da Boca: para evitar espasmos dos músculos laríngeos e faríngeos
  • Fraturas Ósseas Recentes ou Não Consolidadas
  • Hemorragia Ativa
  • Flebite, Tromboflebite e Embolia
  • Processos Infecciosos
  • Câncer
  • Lesões musculares, tendinosas e ligamentares (absoluta)
  • Inflamações articulares em fase aguda
  • Espasticidade (exceto para a técnica de inibição funcional)
  • Miopatias que impeçam a contração muscular fisiológica (desnervação, etc)

Precauções

  • Não contrair um músculo em excesso e de forma súbita para evitar uma lesão muscular
  • Acoplar corretamente as placas ou faixas condutoras com gel condutor. A pele deve ser previamente limpa na área onde serão colocados os eletrodos.
  • Verificar se as placas ou faixas condutoras estão bem posicionadas e fixadas
  • A colocação das placas ou faixas condutoras deverá ser realizada com o equipamento ligado, mas com as intensidades zeradas. Jamais manuseie as placas ou faixas condutoras durante a terapia se elas não estiverem com sua intensidade zerada.
  • O uso indevido (tempo total da terapia/ T On/ T Off) pode causar fadiga muscular. Portanto deve-se adequar os valores de tempo, de acordo com as característica físicas do paciente.
  • Exigir o máximo de contração muscular dentro do limite tolerável pelo paciente. Algumas pessoas se assustam facilmente com a possibilidade de receber um estímulo elétrico, mesmo que controlado, e solicitam que a intensidade fique sempre em limites muito baixos de contração muscular, o que não contribui para o tratamento.
  • Espasmos severos nos músculos da laringe e faringe podem vir a ocorrer se os eletrodos forem colocados muito próximos do pescoço. Estas contrações podem gerar dificuldades para a respiração
  • A duração do tratamento é de aproximadamente 20 sessões, podendo ser estendido sem nenhum problema, pois o mesmo não apresenta efeitos sistêmicos.
  • Normalmente as sessões para cada músculo ou grupo muscular são intervaladas.
  • Não ligue ou desligue totalmente o equipamento com os eletrodos conectados ao paciente
  • Use somente os eletrodos e cabos originais do equipamento. Eles foram testados e aprovados para uso

Preparação do cliente

Posicione os eletrodos na cliente, utilizando gel sem qualquer princípio ativo, e depois de ajustados os parâmetros libere a intensidade nos canais.

Nota: segue adiante uma demonstração de todos os músculos para facilitar a colocação de eletrodos nos ventres musculares

* O modo Reciproc (R) atua alternando a saída de corrente entre os canais 1-2-3-4 com os canais 5-6-7-8, ou seja, ora os canais do primeiro grupo atuam, ora os canais do segundo grupo atuam. Neste modo, On time é igual à Off Time e é possível trabalhar músculos agonistas e antagonistas. Indicado para fortalecimento muscular.

Exemplos para Colocação de Eletrodos:

- Canais 1 e 2 nos bíceps direito e esquerdo (ver figura 01)

- Canais 3 e 4 nos reto abdominais direito e esquerdo (ver figura 03)

- Canais 5 e 6 nos tríceps direito e esquerdo (ver figura 02)

- Canais 7 e 8 nos oblíquos direito e esquerdo (ver figura 03)

- Canais 1 e 2 nos reto abdominais direito e esquerdo (ver figura 03)

- Canais 3 e 4 nos reto femorais direito e esquerdo (ver figura 05)

- Canais 5 e 6 nos oblíquos direito e esquerdo (ver figura 03)

- Canais 7 e 8 nos abdutores OU adutores direito e esquerdo (ver figura 06 ou 07)

- Canais 1 e 2, ou mais se necessário, nos glúteos direito e esquerdo (ver figura 04)

- Canais 3 e 4 nos bíceps femorais direito e esquerdo (ver figura 08)

Vale ressaltar que a colocação é feita de acordo com a avaliação realizada pelo (a) profissional!!!

O modo Synchro (S) faz com que todos os canais atuem simultaneamente, obedecendo aos tempos estabelecidos em On Time e Off time. Indicado para fortalecimento muscular.

- Parâmetros:

On Time (s): ajuste do período de tempo que a corrente circula pelos eletrodos durante cada ciclo de estimulação. É o tempo de sustentação (on) do pulso, que é ajustável de 1 a 20 segundos, nos modos (R), (S) e (Q).
- Mínimo de 5 segundos e máximo de 15 segundos

Off Time (s): ajuste do período de tempo que a corrente não circula pelos eletrodos. É o tempo de repouso (off) do pulso, que é ajustável de 1 a 20 segundos, apenas no modo Synchro (S).
- Começar com valor idêntico ao tempo on e com a evolução do tratamento aumentar tempo on e manter off para melhor resultado. Só é ajustável no modo Synchro (S).

% Modulation: varia de 10% - 20% - 30% - 40% - 50%, sendo que a modulação de 10 a 20% é indicada para músculos pequenos, de 30% para músculos médios e de 40 a 50% para músculos maiores.

Tempo: o tempo de aplicação pode variar de 1 a 60 minutos, mas o indicado é no mínimo 20 minutos e no máximo, 40.

Freqüência: deve ser feita a seleção das fibras a serem recrutadas com freqüência portadora de 2500Hz:

  • de 10 a 40 Hz: fibras vermelhas
  • 50 Hz: fibras mistas
  • acima de 60 Hz: fibras brancas

Segue abaixo as ilustrações de algumas colocações de eletrodos para fortalecimento nos modo Recíproco e Sincronizado:

* Corporal

* Facial

- Parâmetros:

On Time (s): mínimo de 3 segundos e máximo de 7 segundos

Off Time (s): pode ser o mesmo do tempo on

% Modulation: 10 a 20%

Tempo: 10 a 12 minutos por músculos

Freqüência: deve ser feita a seleção das fibras a serem recrutadas com freqüência portadora de 2500Hz:

  • 50 Hz: fibras mistas

O modo Seqüencial (Q) faz com os canais atuem seqüencialmente do menor para o maior, ou seja, do 1 para o 8, desde que estejam com dose. Você pode programar apenas os canais que desejar estimular, ou seja, não é necessário colocar dose em todos os canais para obter uma seqüência. Por exemplo, se você colocar dose apenas nos canais 2 ? 3 ? 5 ? 7 ? 8, a estimulação acontecerá de forma seqüenciada, do menor para o maior, apenas nestes canais. Neste modo, On Time é igual à Off Time e é o mais utilizado para estímulo ao sistema linfático (através da colocação no trajeto de grandes vasos com 10 Hz, como mostram as figuras 09 e 10, ou de bombeamento muscular com 50 Hz); porém, sugere-se que seja empregado posteriormente à drenagem linfática manual.

- Parâmetros:

On Time (s): 3 a 6 segundos

Off Time (s): não há como ajustar. Segue automaticamente o tempo on.

% Modulation: 10 a 20%

Tempo: 20 a 30 minutos

Freqüência: 10 Hz para estímulo de musculatura lisa com freqüência portadora de 2500 Hz ou 4000 Hz

Exemplos de Colocação de Eletrodos para Estímulo ao Sistema Linfático

* Região medial e lateral dos membros inferiores

* Trajeto da safena

* OBS: O bombeamento muscular pode ser realizado da seguinte forma:

- Canal 1: panturrilha

- Canal 2: região anterior da coxa

- Canal 3: região lateral da coxa

- Canal 4: região medial da coxa

- Repetem-se os outros canais na outra perna

- Vale ressaltar que a colocação está dividida apenas para melhor visualização.

- Pode-se também colocar 2 canais na região abdominal e apenas 6 nos membros inferiores

- Pode-se também estimular o sistema linfático nos membros superiores, colocando-se os eletrodos na mesma disposição da perna: região medial e lateral de braço e antebraço

O modo Continuous (C) fornece uma saída de corrente estável e constante em todos os canais. Não permite ajuste de On Time e Off Time, sendo utilizado para relaxamento muscular (analgesia) ou estímulo do metabolismo.

- Parâmetros para estímulo metabólico:

% Modulation: 50%

Tempo: 40 minutos

Freqüência: 10 a 30 Hz com freqüência portadora de 2500Hz

- Parâmetros para analgesia:

% Modulation: 20 a 30%

Tempo: 20 a 30 minutos

Freqüência: 5Hz para dores crônicas e 100Hz para dores agudas com freqüência portadora de 4000Hz

FES

INDICAÇÕES

  • Facilitação Neuromuscular
  • Fortalecimento muscular
  • Ganhar ou manter a amplitude de movimento articular
  • Combater contraturas e tecidos moles
  • Controlar a Espasticidade
  • Para uso como uma Órtese
  • Lesão medular (Paraplegias/paraparesias)
  • Esclerose múltipla / Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)
  • Hipotrofia por desuso
  • Hemiplegia
  • Paralisia cerebral - quanto à distribuição topográfica, os pacientes mais beneficiados são os hemiparéticos e os paraparéticos

CONTRA-INDICAÇÕES

  • Eixo do marca-passo
  • Sobre o seio carotídeo
  • Sobre área cardíaca
  • Espasticidade grave
  • Lesão nervosa periférica

SUGESTÕES PARA APLICAÇÕES

* Fortalecimento muscular

  • Intensidade: capaz de gerar movimento controlado
  • Frequência: 30 a 70 Hz
  • Tempo On: 4 a 6 seg
  • Tempo Off: 12 a 18 (relação 1:3)
  • Tempo Aplicação: 30 min a 1 hora

* Facilitação Neuromuscular

  • Frequência: 20 a 50 Hz
  • Tempo On e Off: capaz de realizar o movimento desejado com a participação do paciente
  • Tempo de Aplicação: pequeno e várias vezes ao dia sem ultrapassar 15 minutos

* Amplitude de movimento e contraturas

  • Intensidade: capaz de gerar contração ampla e uniforme do músculo, movimentando a articulação em toda a sua amplitude sem movimentos excessivos para evitar lesões articulares
  • Frequência: 30 a 50Hz
  • Tempo On: 6 seg
  • Tempo Off: 12 seg
  • Tempo de aplicação:
    • Manter a ADM: 30 a 60 min
    • Aumentar a ADM: 1 a 2 horas
    • Posição dos eletrodos: músculos agonistas ao movimento limitado

* Outras aplicações

TENS

INDICAÇÕES

  • Dor aguda: uma das aplicações de maior sucesso da Tens é para o controle da dor pós-operatória. Inúmeras experiências foram realizadas com enorme sucesso.

- Dores agudas: Frequencia ALTA; intensidade BAIXA.

a) Pós-traumática: cotovelo de tenista, entorses ligamentares do joelho, contusões do ombro, entorses do cotovelo, entorses lombares, tendinites, contusões de costelas, lesões do manguito rotador, entorse de tornozelo, etc.

b) Dor incisional aguda: Procedimentos abdominais como: colicistectomia, laparotomia, toracotomia.

  • Dor crônica: a duração deve ser usualmente de 30 a 60 minutos, podendo chegar a 24 horas.

- Dores crônicas: Frequencia BAIXA; intensidade ALTA.

Ex.: Tender points de fibromialgia, problemas de coluna (cervical, torácica, toraco-lombar, lombosacro), problemas degenerativos discais, pós-laminectomia (mais na lombar), espondilite anquilosante, causalgia, neuropatia periférica - neuropatia diabética, síndrome pós-esternotomia, síndrome pós-toracotomia, síndrome pós flebítica, herpes zoster e neuralgia pós-herpética, síndrome do membro fantasma, bursites, costo-condrites, cefaléias, neuralgia do trigêmeo, etc...

CONTRA-INDICAÇÕES

Não existe até hoje contra-indicações absolutas para o uso da TENS, porém, algumas precauções devem ser tomadas:

  • Não aplicar em dores não diagnosticadas: pode motivar uma atividade física mais vigorosa antes que uma lesão esteja recuperada ou mascarar uma doença grave.
  • Marcapassos cardíacos: pode haver interferências. Nesse caso não é recomendada a aplicação.
  • Cardiopatas: podem apresentar reações adversas. Tome muito cuidado e redobre a atenção durante a aplicação da TENS.
  • Não estimular sobre os seios carotídeos: o paciente pode apresentar hipotensão, bradicardia, vasodilatação periférica, náuseas ou até mesmo parada cardíaca.

PRECAUÇÕES

  • Grávidas
  • Aplicações sobre os olhos e boca
  • Aplicação sobre a parede anterior do tórax em paciente com problema cardíaco
  • Crianças
  • Cabeça ou face
  • A estimulação intensa prolonga
  • A ingestão de 200 mg de cafeína, ou dose maior que essa, pode reduzir a eficácia de TENS

PARÂMETROS

TENS CONVENCIONAL

  • FREQUÊNCIA DO PULSO: alta - aproximadamente 50 - 100 Hz
  • LARGURA DE PULSO: estreita - de 20 à 80 µs (estreito)
  • INTENSIDADE: confortável
  • TEMPO DE APLICAÇÃO: 40 a 50 minutos
  • INÍCIO DO ALÍVIO: 20 minutos
  • DURAÇÃO DO ALÍVIO: 20 minutos a 2 horas (curto)
  • SENSAÇÃO: ligeiro formigamento ou parestesia, sem contração muscular
  • APLICAÇÃO: dores agudas

TENS BURST (TRENS DE PULSO)

  • FREQUÊNCIA DO PULSO: alta - aproximadamente 100 Hz
  • FREQUÊNCIA DE MODULAÇÃO: 2Hz (1 a 4 Hz)
  • LARGURA DE PULSO: 200 µs (largo)
  • INTENSIDADE: variável de forte a fraco
  • TEMPO DE APLICAÇÃO: 40 minutos
  • INÍCIO DO ALÍVIO: 10 a 30 minutos
  • DURAÇÃO DO ALÍVIO: 20 minutos a 6 horas
  • SENSAÇÃO: contrações musculares rítmicas, acompanhadas de parestesias
  • APLICAÇÃO: casos subagudos ou crônicos

TENS ACUPUNTURA

Possui este nome porque os eletrodos também podem ser utilizados sobre os pontos de acupuntura.

Provoca um tempo de analgesia prolongado quando comparado com o TENS convencional. Possui os seguintes parâmetros:

  • FREQUÊNCIA DO PULSO: BAIXA (1 a 4 Hz)
  • LARGURA DE PULSO: 150 a 230 μs (largo)
  • INTENSIDADE: moderada ou forte (técnica da ponta dos dedos)
  • TEMPO DE APLICAÇÃO: mínimo 45 minutos
  • INÍCIO DO ALÍVIO: 20 a 30 minutos até 1 hora
  • DURAÇÃO DO ALÍVIO: 2 a 6 horas
  • SENSAÇÃO: contrações musculares rítmicas (visíveis)
  • APLICAÇÃO: dores crônicas

OBS.: Existe uma variação do modo acupuntura, onde os eletrodos são colocados na ponta dos dedos da mão (2º, 3º, e 4º ) e utilizado por 2 a 4 minutos com um nível de intensidade de corrente extremamente doloroso. Neste modo há intensa liberação de opiódes endógenos causando analgesia eficaz.

TENS BREVE E INTENSO

Os efeitos são mais transitórios do que os obtidos com TENS convencional e acupuntura. Como esta técnica oferece uma curta duração de alívio da dor, ela é recomendada para redução da dor antes de exercícios de reabilitação. Deve ser utilizada por curtos períodos de tempo utilizando máxima intensidade tolerada pelo paciente. Possui os seguintes parâmetros:

  • FREQUÊNCIA DO PULSO: ALTA (100 a 150 Hz)
  • LARGURA DE PULSO: 150 a 250 μs (largo)
  • INTENSIDADE: “forte”
  • TEMPO DE APLICAÇÃO: mínimo 45 minutos
  • INÍCIO DO ALÍVIO: 15’ a 20’ (Starkey (2001), orienta não ultrapassar 30 minutos)
  • DURAÇÃO DO ALÍVIO: pequena, apenas durante a estimulação
  • SENSAÇÃO: fasciculações musculares não rítmicas ou contrações tetânicas
  • APLICAÇÃO: alívio imediato (antes de procedimentos dolorosos como mobilizações articulares, massagem transversa profunda, etc.)

ELETROLIPOFORESE

INDICAÇÕES

  • Adiposidade localizada
  • Fibroedema gelóide
  • Pós-lipoaspiração (complemento à cirurgia), ptose abdominal e das nádegas
  • Diminuição do perímetro em abdômen, coxas e quadril
  • Melhora circulatória local e da troficidade da pele

CONTRA-INDICAÇÕES

  • Transtornos cardíacos
  • Gestantes
  • Pinos ou placas na região a ser tratada
  • Insuficiência renal
  • Trombose venosa profunda ou estado venoso catastrófico
  • Patologias ginecológicas
  • Utilização de medicamentos como corticosteróides, anticoagulantes e progesterona
  • Neoplasias
  • Alterações dermatológicas
  • Epilepsia

APLICAÇÕES

- 50 Hz: promove diminuição da resistência intrínseca da pele da sensibilidade dolorosa que possa ser referida pelo cliente.

- 25 Hz: estímulo circulatório.

- 30 Hz: há ação na derme com estímulo principalmente de fibroblastos, melhorando a tonicidade tissular e ação na drenagem intersticial.

- 10 Hz: ação direta nos adipócitos por estimular Sistema Nervoso Simpático.

- 5 Hz: ação muscular e utilizada no fim da terapia para eliminação dos produtos da lipólise.

As sessões têm tempo de duração de 50 a 60 minutos e após a sessão costuma-se aplicar algum tratamento complementar como drenagem linfática, isometria, bem como somado a uma dieta hipocalórica e hidrosalina.

Para a prática, deve-se posicionar o paciente numa posição cômoda e relaxada; a área a tratar deve estar desnuda e desinfetada (assim como a mão do operador); introduzir as agulhas utilizando o "tubo guia" fornecido junto com as agulhas de acupuntura; pressiona-se o tubo na pele, para esticá-la, e dá um golpe rápido no topo da agulha, inserindo-a perpendicularmente á superfície cutânea por cerca de 1 cm (as agulhas podem ser introduzidas obliquamente, dependendo da habilidade do operador). A partir daí, inclina-se a agulha, na direção do tecido subcutâneo realizando movimentos giratórios introduzindo-a. Após a agulha introduzida, conectam-se os eletrodos (tipo "jacaré") nos pares de agulhas correspondentes à área que se deseja tratar. Podem-se fixar as partes das agulhas que ficam externamente, com esparadrapo, para que não haja incômodo ao manipulá-las com a colocação dos eletrodos.

Referências Bibliográficas

  • Agne, J.E. Eletrotermofototerapia: Teoria e Prática. Santa Maria: Orium, 2006
  • Barash IA, Mathew L, Ryan AF, Chen J, Lieber RL. Rapid muscle-specific gene expression changes after a single bout of eccentric contractions in the mouse. Am J Physiol Cell Physiol., 2004 286(2):C355-64.
  • Barash IA, Peters D, Fridén J, Lutz GJ, Lieber RL. Desmin cytoskeletal modification after a single bout of eccentric exercise in rat. Am J Physiol Regul Integr Comp Physiol., 2002 283(4):R958-63.
  • Bisschop, G., Bisschop, E., Commandré, F. Eletrofisioterapia. São Paulo: Ed.Santos, 2001.
  • Borges, F.S. Dermato-Funcional : Modalidades Terapêuticas nas Disfunções Estéticas. São Paulo: Phorte, 2006
  • Davis J, Kaufman KR, Lieber RL. Correlation between active and passive isometric force and intramuscular pressure in the isolated rabbit tibialis anterior muscle. J Biomech., 2003 36(4):505-512.
  • Fridén J, Lieber RL. Spastic muscle cells are shorter and stiffer than normal cells. Muscle Nerve., 2003 27(2):157-164.
  • Friden J, Lovering RM, Lieber RL. Fiber length variability within the flexor carpi ulnaris and flexor carpi radialis muscles: implications for surgical tendon transfer. J Hand Surg [Am]., 2004 29(5):909-14.
  • Guirro, E.C.O., Guirro, R.R.J. Fisioterapia Dermato-Funcional: Fundamentos, Recursos e Patologias. São Paulo: Manole, 2002
  • Jamali, AA, Afshar P, Abrams RA, Lieber RL. Differential expression of neural cell adhesion molecule (NCAM) after tenotomy in rabbit skeletal muscle. J Orthop Res., 2002 20 (2): 364-9.
  • Jenkyn TR, Koopman B, Huijing P, Lieber RL, Kaufman KR. Finite element model of intramuscular pressure during isometric contraction of skeletal muscle. Phys Med Biol., 2002 47(22):4043-61.
  • Kaufman KR, Wavering T, Morrow D, Davis J, Lieber RL. Performance characteristics of a pressure microsensor. J Biomech., 2003 36(2):283-287.
  • Kitchen, S. Eletroterapia: Prática Baseada em Evidências. São Paulo: Manole, 2003
  • Lieber RL, Fridén J, Hobbs T, Rothwell AG. Analysis of posterior deltoid function one year after surgical restoration of elbow extension. J Hand Surg [Am]., 2003 28(2):288-93.
  • Lieber RL, Fridén J. Implications of muscle design on surgical reconstruction of upper extremities. Clin Orthop., 2004 (419):267-79.
  • Lieber RL, Fridén J. Mechanisms of muscle injury gleaned from animal models. Am J Phys Med Rehabil., 2002 81(11):S70-S79.
  • Lieber RL, Runesson E, Einarsson F, Fridén J. Inferior mechanical properties of spastic muscle bundles due to hypertrophic but compromised extracellular matrix material. Muscle Nerve., 2003 28(4):464-71.
  • Lieber RL, Shah S, Fridén J. Cytoskeletal disruption after eccentric contraction-inuced muscle injury. Clin Orthop., 2002 403 (Suppl):S90-9.
  • Lieber RL, Steinman S, Barash IA, Chambers H. Structural and functional changes in spastic skeletal muscle. Muscle Nerve., 2004 29 (5): 615-27.
  • Lutz GJ, Lieber RL. Studies of Myosin isoforms in muscle cells: single cell mechanics and gene transfer. Clin Orthop., 2002 403 (Suppl):S51-8.
  • Meunier MJ, Hentzen E, Ryan M, Shin AY, Lieber RL. Predicted effects of metacarpal shortening on interosseous muscle function. J Hand Surg [Am]., 2004 29(4):689-93.
  • Patel TJ, Das R, Fridén J, Lutz GJ, Lieber RL. Sarcomere strain and heterogeneity correlate with injury to frog skeletal muscle fiber bundles. J Appl Physiol., 2004 97(5):1803-13.
  • Peters D, Barash IA, Burdi M, Yuan PS, Mathew L, Fridén J, Lieber RL. Asynchronous functional, cellular and transcriptional changes after a bout of eccentric exercise in the rat. J Physiol., 2003 553(3): 947-957.
  • RL, Murray WM, Clark DL, Hentz VR, Friden J. Biomechanical properties of the brachioradialis muscle: Implications for surgical tendon transfer. J Hand Surg [Am]., 2005 30(2):273-82.
  • Shah SB, Davis J, Weisleder N, Kostavassili I, McCulloch AD, Ralston E, Capetanaki Y, Lieber RL. Structural and functional roles of desmin in mouse skeletal muscle during passive deformation. Biophys J., 2004 86(5):2993-3008.
  • Shah SB, Lieber RL. Simultaneous imaging and functional assessment of cytoskeletal protein connections in passively loaded single muscle cells. J Histochem Cytochem, 2003 51(1):19-29.
  • Soriano, M.C.D., Pérez, S.C., Baqués, M.I.C. Electroestética Professional Aplicada: Teoria y Práctica para La Utilización de Corrientes en Estética. Espanha: Sorisa, 2000


 

 

e-mail: suporte@bioset.com.br

 

Bioset - Industria de Tecnologia Eletrônica Ltda
Registro no Ministério da Saúde: 104.103-0

Desenvolvimento: Sphera